Congresso Internacional "A época do espaço. Estado e novas perspetivas"

Santiago de Compostela. 8 e 9 de abril de 2019

Ao longo da segunda metade do século XX, houve uma reorientação do olhar humano e do interesse científico, o que aconteceu para observar e serem observado mais no espaço do que no tempo, como aconteceu anteriormente. Essa mudança, denominada como Spatial turn (Soja, 1989), deu origem ao surgimento de novas abordagens e perspetivas de estudo, que quiseram abordar a «espacialidade» (Tally, 2013) dos seres e os resultados da interação com o meio ambiente.

Antes da consciência da nova época, «l'époque de l'espace», como assinalaria Foucault em 1967, já havia sido publicado em França um dos textos mais singulares nesta área: La Poétique de l'espace (1958) de Gaston Bachelard, em que a experiência humana é explorada em frente à arquitetura através da qual o autor define «topoanálise»: uma maneira de explorar os lugares vitais através da psicologia.

Nos últimos anos, o aumento do interesse do estudo de criações artísticas, especialmente literárias, olhando o simbolismo, a relevância de lugares, ou transformando certos traços ou conexões geográficas nos principais pontos de interesse em algumas abordagens comparativas. Por outro lado, a relação entre os seres humanos e a natureza através das criações culturais do primeiro ou de suas modificações nos segundos também tem sido abordada, muitas vezes baseada na ecologia ou nos pressupostos marxistas.

Nestas análises, em que a literatura europeia moderna e contemporânea tem gozado de popularidade, outras disciplinas ou épocas parecem não ter alcançado o mesmo nível de apego. Assim, tais como os estudos medievais, clássicos, história ou a história da arte, entre outros, parecem ter sido menos influenciados pela geocrítica ou ecócrita, embora estes tenham uma lacuna considerável nos estudos literários.

O crescimento de disciplinas como essas pode ser percetível através de seu contacto com outras como as humanidades digitais, também muito recentes. A simbiose entre estas deu lugar às humanidades espaciais ou deep mapping, por exemplo. Mas, além de novas metodologias ou procedimentos, a Internet e o desenvolvimento da informática também têm gerado novos habitats, que levam a reformular o ninho bachelardiano e a maneira de construir identidades no espaço.

Aproveitando-se que entre 2018 e 2019 se cumprem 30, 40, 50 e 60 anos a partir de publicações de Soja, Rueckert, Foucault e Bachelard, respetivamente, consideramos que é o momento adequado para refletir sobre o nosso afazeres atual na época do espaço: como têm evoluído as teóricas nestes anos, que tem mudado na nossa conceção do termo ou como vivemos ou nos relacionamos com o território são alguns dos interesses pelos quais achamos que é preciso repensar o giro especial, e fazê-lo a partir de uma ótica irremediavelmente marcada pelo lugar onde estamos: a Galiza.

congreso@aepocadoespazo.info

Organização

Organização

Manuel Magán Abollo (USC) - Secretario
Belén Quinteiro Pulleiro (UB)
Carlos Lixó Gómez (USC)
César Pablo Domínguez Prieto (USC)
Cristina Rueda Lesmes (USC)
Guillermo Rodríguez Alonso (USC)
Manuela Palacios González (USC)
María Xesús Nogueira Pereira (USC)
Roque Lazcano Vázquez (USC)

Conselho Científico

Alessandro Scafi (The Warburg Institute)
Ana Paula Coutinho (UP)
Antonino Firenze (UPF)
Arantxa Fuentes Ríos (USC)
Fernando Cabo Aseguinolaza (USC)
Gonçalo Vilas-Boas (UP)
Joan Nogué (UdG)
Juan Manuel Monterroso Montero (USC)
Laura María Lojo Rodríguez (USC)
María Victoria Chico Picaza (UCM)
Mariña Bermúdez Beloso (USC)
Mitzi E. Martínez Guerrero (USC)
Susana Araújo (ULisboa)

O "LVI Congreso de Filosofía Joven. Ontología joven de la divina juventud" celebrarase en Santiago os días 11 e 12 de abril de 2019.
📌
📣
Extended deadline!
30 December 2018.